São falsas as mensagens que circulam nas redes sociais distorcendo o valor o imposto estadual sobre a venda de gás de cozinha. Um dos conteúdos afirma que o ICMS corresponderia a R$ 59,25 na compra de um botijão vendido por cerca de R$ 120. O valor é falso e aumenta em mais de 6 vezes o tributo real na composição do preço final pago pelo consumidor.

Na prática, o ICMS por botijão de 13 quilos de gás na Bahia está congelado em R$ 9,18, o que equivale a apenas 8,34% do valor de R$ 110, o mais barato encontrado para o produto em Salvador, de acordo com pesquisa no aplicativo Preço da Hora Bahia.

Leia a checagem realizada pelo Estadão Verifica

Boato que exagera ICMS sobre o gás na Bahia circula novamente com valores ainda mais distorcidos

Já o valor cobrado pela Refinaria de Mataripe, que foi privatizada em dezembro pela Petrobras e segue a política de preços da estatal, vem aumentando de acordo com o mercado internacional e representa hoje 49,3% do preço total do botijão, enquanto o custo das distribuidoras e revendas responde por 35,8% do valor total.

A implementação da LC 192 para o gás de cozinha aguarda entendimento e convênio entre os estados brasileiros, no âmbito do Confaz – Conselho Nacional de Política Fazendária, para unificação do valor do imposto. Mas isso não acarreta nenhum prejuízo para os consumidores baianos porque aqui o valor de referência para cobrança do ICMS sobre o GLP permanece congelado desde 1º de novembro. Vale lembrar que a alíquota de ICMS sobre o GLP na Bahia, que não muda há mais de uma década, é de 12%, a menor do país, enquanto a média entre os estados brasileiros é de 14,9%.

Após defender no Confaz – Conselho Nacional de Política Fazendária a continuidade da tributação reduzida sobre combustíveis, a Bahia já implementou a medida, de forma que não somente o gás de cozinha, mas também diesel, gasolina e etanol continuam pagando ICMS com base em valores congelados em 1º de novembro de 2021.

Fonte: Secretaria Estadual da Fazenda – Sefaz-BA